sábado, 7 de abril de 2012

Eu vou partir


Eu vou partir neste início de noite e levar minha dor para passear. Eu não vou chorar nem vou rir. Vou simplesmente andar como meu corpo pede.
Quando nos encontrarmos seremos mais cavalheiros do que amantes e os risos vão se abrir e nossas almas vão se enamorar como sempre, porque isso não controlamos nem fingimos.

Eu vou partir antes da madrugada para pegar a estrada ainda brilhante, porque sozinho com a Lua eu corro o risco de desistir e voltar.
Os sonhos que não são fortes o suficiente a gente sufoca. É uma lástima matar a inocência, mesmo que o motivo seja manter-se inocente.
O único para sempre dessa história somos nós, que eternos somos donos do próximo dia.

Eu vou partir. E num fim de tarde o Sol vai chiar no mar enquanto você vai dançar em minha mente uma tragédia.
Eu gosto das tragédias. Do drama. São complexos, detalhistas, sangrentos no corpo ou na alma, ou em ambos, e são imperfeitos como os humanos.

E para fechar em quatro e não em três:
Eu vou partir!

8 comentários:

  1. Bom! Gostei da parte dos humanos imperfeitos. Todos somos. Uns mais, outros, menos. =)

    ResponderExcluir
  2. E depois de partir, quem vai querer voltar?

    Há algo no depois que nos impede em ficar no agora.

    ResponderExcluir
  3. Vá, parta sem destino.
    Sem vontade de voltar.
    Deixe para trás tudo que lhe incomoda
    Aquelas roupas velhas
    E o mofo das cicatrizes mal curadas.

    E quando sentir saudades
    E quiser voltar
    Volte!

    Com um sorriso
    Não aqueles estampados na cara
    E sim, aqueles que iluminam o coração.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Rosa
      Adorei o poema, minha amiga. Muito obrigado!

      Excluir
  4. Fugir quando há luz, para que ela ilumine a escuridão.

    Beijos, Dan!

    ResponderExcluir
  5. Wow! Muito bom! Gostei dos seus escritos! (@BlogAfrodite)

    ResponderExcluir