Just it (1)


Sinopse


Just it é o primeiro livro de uma série poética a que me propus escrever durante seis meses. Para tanto, foi preciso interromper o desenvolvimento de um livro de ficção, mas foi fundamental reaver a palavra, a imaginação, o desenho e a sugestão. O poder da poesia advém desta característica: a imaginação; a poesia é sugestão; foi isso que motivou este livro, o exercício de viver a vida através da lente da poesia. 

O livro é composto por poemas e desenhos inéditos. Os desenhos seguem uma proposta experimental, tanto no que trata da técnica como em relação à edição digital, às vezes se integrando aos poemas e em outras podendo evocar o próprio poema! A poesia não se propõe a ser uma experimentação de linguagem, as imagens poéticas retratam a expressão da emoção ou do sentimento do autor sobre ou sob o espaço em que vive, ama e sofre, mas a palavra é escolhida e falada! E eis o resgate: antever a palavra, mastigá-la antes de dizê-la no papel ou na boca.

Seguindo a frase de Osho que abre o livro, não procuro “a matéria prima da poesia, pois ela surgiu bem antes do mundo, do próprio intuito”, busco uma palavra parida antes do desejo. Talvez assim seja possível vencer o próprio desejo, ou não, mas é preciso conviver com ele, enamorar-se do que de bom ou ruim ele provoque; só comendo o desejo é que ele se transmuta.

Just it pode ser contemporâneo porque pretende acompanhar a virtualidade das relações, os giros dos mundos e a velocidade com que os sentidos são estimulados. Joga com o amor e com a biografia do autor, pode ser comido, bebido, lido no celular, recitado na cama antes de dormir, enviado como um presente, encenado ou até mesmo pode virar filminho para a web. Ele, o livro, aceita reclamação, elogio, sugestão, mas também aceita histórias de amor, sonhos, fome e fotografias do vazio. Quem quiser e tiver tempo pode criar perfil fake em rede social e citar nas conversas com os amigos... foi feito para ser vivenciado e compartilhado com o maior número de pessoas possível, seja uma frase, um desenho, uma palavra, qualquer coisa... liberte-o, liberte-se a si mesmo, diga que ama, que odeia, que deseja, que não quer mais, Just it serve para viver junto...

Neste primeiro livro os sentidos estão confusos, borrados, maculados. No segundo, eles estarão estourados e homenageados. E no terceiro haverá um equilíbrio das sensações aterrando toda a experiência humana no meio da natureza, da floresta e na essência da alma humana.

Nenhum comentário:

Postar um comentário